Home Notícias thyssenkrupp conquista marco “Zero Aterro” em segunda fábrica no Brasil

thyssenkrupp conquista marco “Zero Aterro” em segunda fábrica no Brasil

por redação

Com esse modelo de gestão de resíduos, a empresa segue executando ações que, além de contribuir com a economia circular, também ajudam a reduzir as emissões de gases de efeito estufa

Em novo avanço para tornar suas operações cada vez mais sustentáveis, a thyssenkrupp anuncia a obtenção do título de “Zero Aterro” para mais uma fábrica no Brasil. Após o alcance desse reconhecimento pela unidade Metalúrgica Campo Limpo, em Campo Limpo Paulista (SP), a divisão Springs & Stabilizers, localizada em São Paulo (SP), também chega a esse marco, em que 100% de seus resíduos sólidos são reciclados ou reaproveitados e deixam de ser destinados a aterros sanitários.

Para eliminar a disposição dos resíduos em aterros, a equipe de Meio Ambiente trabalhou no mapeamento, reaproveitamento e reclassificação de resíduos, além da destinação de entulho para fabricação de tijolos, de madeira para geração de biomassa e de resíduos para coprocessamento.

“A thyssenkrupp busca sempre tornar as atividades operacionais o mais sustentável possível para contribuir com a preservação do meio ambiente. Essa iniciativa contribui não apenas para eliminar a disposição de resíduos nos aterros, mas também possibilitar que o resíduo seja reaproveitado na forma de matéria-prima e, assim, completar o ciclo de vida útil dos insumos, favorecendo o desenvolvimento do negócio de forma responsável”, explica Sergio Savazzi, CEO da unidade Springs & Stabilizers da thyssenkrupp no Brasil.

Economia circular

Com esse novo modelo de gestão de resíduos, a empresa segue executando ações que, além de contribuir com a economia circular, também ajudam a reduzir significativamente as emissões de gases de efeito estufa. Até 2030, a meta global da thyssenkrupp é diminuir em 30% a geração direta de CO2 relacionada aos processos produtivos e à energia utilizada.

Quando dispostos em aterros sanitários, os resíduos geram biogás por meio de decomposição da matéria orgânica. Composto principalmente por CO2 e metano, esse biogás, quando liberado na atmosfera sem tratamento, causa grande impacto no aquecimento global. Segundo especialistas, o setor de saneamento é uma grande fonte de produção de gás metano no Brasil, com o equivalente a 90MtCO2eq por ano, o que representa 5% das emissões brasileiras.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário