Home SeçõesEficiência Energética Substituição de lâmpadas incandescentes favorece energia eficiente

Substituição de lâmpadas incandescentes favorece energia eficiente

por redação
Utilização de novas lâmpadas fluorescentes ou de LED pode gerar economia de até R$ 6 bilhões nos próximos 20 anos

Utilização de novas lâmpadas fluorescentes ou de LED pode gerar economia de até R$ 6 bilhões nos próximos 20 anos

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), por meio do seu Conselho de Sustentabilidade, considera benéfica a portaria do Comitê Interministerial que estabelece eficiência mínima para lâmpadas incandescentes fabricadas, importadas e comercializadas no País, sendo que uma nova etapa deverá ser cumprida a partir de 1º de julho. A restrição faz parte da Lei de Eficiência Energética (Lei nº 10.295/2001), que estabelece a Política Nacional de Conservação de Conservação de Energia.

A legislação visa a alocação eficiente de recursos energéticos e a conservação do meio ambiente. A determinação do Poder Executivo indica também níveis máximos de consumo específico de energia ou mínimos de eficiência energética para máquinas e aparelhos consumidores de energia fabricados ou comercializados no País, com base em indicadores técnicos pertinentes.

A retirada do mercado das lâmpadas incandescentes que não atendam à eficiência mínima teve início gradual em 2013, com lâmpadas com mais de 150 W. Em 2014, foi a vez das de potência acima de 101 W, e, em 2015, daquelas acima de 61 W. Neste ano, a partir de 1º de julho, aumenta a eficiência mínima para as lâmpadas com potência inferior a 60 W. A partir dos prazos finais estabelecidos, os fabricantes, atacadistas e comércios varejistas serão fiscalizados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e, caso não atendam à legislação, poderão ser multados.

De acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), algumas lâmpadas desse tipo ainda podem ser comercializadas, porém, são tecnicamente inviáveis de serem produzidas. “Junho de 2017 será o próximo prazo para a eficiência mínima das lâmpadas com potência inferior a 40W deixarem de ser vendidas no mercado. Esses itens não conseguem  atingir os novos níveis de eficiência estabelecidos já em 2016. Portanto, é o fim das incandescentes”, explica Cristiane Cortez, Assessora Técnica do Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP.

A mudança atende ao cronograma estabelecido pelo governo da Portaria Interministerial 1007/2010, que fixou índices mínimos de eficiência luminosa para fabricação, importação e comercialização das lâmpadas incandescentes de uso geral em território brasileiro. De acordo com um estudo realizado pelo Ministério de Minas e Energia, a economia gerada pelo consumo de energia eficiente com a substituição das lâmpadas incandescentes por novas fluorescentes ou de LED será vista em longo prazo e representará cerca de 10 TWh/ano, ou, aproximadamente, R$ 6 bilhões nos próximos 20 anos.

Criado em 2008, o Conselho de Sustentabilidade da FecomercioSP tem como missão difundir e valorizar ações e projetos para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. Para isso, incentiva a inserção do conceito de sustentabilidade na gestão empresarial e estimula parcerias entre governo, setor privado e cidadãos para a solução de problemas socioambientais, promovendo o consumo consciente e responsável.

0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário