Home Seções Economia Verde Setor Químico aborda contribuição para a redução das emissões
0

Setor Químico aborda contribuição para a redução das emissões
Warning: A non-numeric value encountered in /home/rmai/public_html/wp-content/themes/newstube/functions.php on line 3295

0
0

Abiquim eventoA Abiquim realizará, no dia 1º de abril, o evento “O Acordo de Paris: A contribuição da indústria química para a agenda brasileira”, que reunirá profissionais da indústria química e representantes dos Ministérios da Fazenda, da Ciência, Tecnologia e Inovação e do Meio Ambiente. Eles irão debater como a indústria química pode contribuir para o cumprimento do acordo, aprovado durante a COP 21 – Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, realizada na cidade de Paris, em dezembro de 2015.
O Acordo de Paris será assinado por 195 países, entre eles o Brasil, que se comprometeram a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, e buscar não ultrapassar 2 °C de aquecimento global com relação à média de temperatura anterior à Revolução Industrial até o ano de 2100.
A assinatura do Acordo de Paris ocorrerá na sede da ONU (nos EUA) a partir de 22 de abril de 2016, até 21 de abril de 2017.
A abertura do evento “O Acordo de Paris: A contribuição da indústria química para a agenda brasileira” contará com o presidente-executivo da Abiquim, Fernando Figueiredo, e o coordenador do Comitê para o Desenvolvimento Sustentável da Abiquim, Weber Porto. O evento possibilitará um importante debate entre o governo e a indústria química, que por meio de suas soluções pode oferecer ferramentas para que o Brasil colabore com a diminuição da emissão de gases de efeito estufa.
O secretário de mudanças climáticas e qualidade ambiental do Ministério do Meio Ambiente José Miguez, que fez parte da comitiva brasileira no evento da ONU, fará a apresentação “A COP-21 e a posição brasileira”. Segundo Miguez, a indústria química brasileira já desempenha um papel importante na redução das emissões do Brasil. “A indústria química é bastante limpa no Brasil, tem um alto desempenho tecnológico e pode ajudar a desenvolver ainda mais a indústria de energia renováveis com sua inovação tecnológica e, por conseguinte, ajudar o Brasil a reduzir as suas emissões de gases de efeito estufa”, aponta Miguez.
O presidente do Conselho Diretor da Abiquim, Carlos Fadigas, apresentará “As soluções da química para a sustentabilidade”. A programação será encerrada com uma mesa redonda com as participações do coordenador-geral de Meio Ambiente e Mudanças Climáticas do Ministério da Fazenda, Aloísio Melo, do secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do MCTI, Jailson Bittencourt de Andrade, do vice-presidente do Conselho Diretor da Abiquim, Ralph Schweens, e de José Miguez. A coordenação será do diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem, Jorge Soto. Neste painel serão debatidos temas como a implementação de ações e organização do setor para que o País atinja suas metas de redução de gases de efeito estufa (as contribuições nacionalmente determinadas – NDCs, da sigla em inglês) e o mercado de carbono.

Reduzindo impactos ambientais
A indústria química brasileira atua para minimizar os impactos ambientais causados por sua atividade. No Brasil, o Programa Atuação Responsável® gerenciado pela Abiquim no Brasil desde 1992, promove a melhoria contínua na área ambiental, além de melhorar a segurança e a saúde de seus colaboradores e da população que vive em torno das fábricas.
São realizados esforços para aumentar a eficiência no uso de energia térmica e elétrica. De 2006 a 2014 o consumo de energia elétrica por tonelada produzida pela indústria química caiu 16%. Nesse mesmo período, o consumo de gás natural por tonelada produzida diminuiu em 32%, o consumo de óleo combustível e carvão por tonelada produzida caiu em 41%, e o uso de combustíveis renováveis aumentou em 11%. A indústria reduziu em 30% a emissão de CO2 por tonelada produzida, de 2006 a 2014.
O setor investe no tratamento de efluentes do processo fabril e torres de resfriamento com circuito fechado, para não haver descarte; utilização de poços artesianos, captação e reaproveitamento da água da chuva. Ainda são realizadas ações para o tratamento, por meio de sedimentação, das águas sanitárias provenientes de fossa séptica e das águas descartadas pelos sistemas auxiliares do processo produtivo, incluindo despejos do laboratório. De 2006 a 2014, a indústria química diminuiu em 36% a quantidade de água captada por tonelada produzida.

Serviço 
Evento: “O Acordo de Paris: A contribuição da indústria química para a agenda brasileira”
Data: 1º de abril
Horário: 13h30 às 17h
Local: Condomínio Millenium
Avenida Chedid Jafet, 222 – Auditório – Vila Olímpia – São Paulo/SP
Entrada gratuita – vagas limitadas
Inscrições: eventos@abiquim.org.br

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.