Home SeçõesEconomia Verde Setor de galpões investe em construções verdes

Setor de galpões investe em construções verdes

por redação

Visando sustentabilidade e ganhos em eficiência, a GLP terá 83% dos galpões desenvolvidos no Brasil certificados por seus aspectos de sustentabilidade

A agenda ESG, sigla em inglês que representa ações de responsabilidade Ambiental, Social e Governança corporativa, está cada vez mais presente no mercado. No setor imobiliário, as certificações de construções sustentáveis garantem a clientes e investidores que as empresas têm realmente empregado esforços para a redução de impactos ambientais de seus empreendimentos. Essa preocupação está presente não só no segmento comercial, como também no mercado de galpões logísticos.

 A GLP, uma das líderes globais em gestão de investimentos e desenvolvimento de negócios em logística, terá 83% dos galpões totalmente desenvolvidos pela empresa reconhecidos pela certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) como construções sustentáveis. Entre os empreendimentos, cerca de 70% estão classificados nas categorias “Gold” e “Silver”, respectivamente a segunda e a terceira mais altas concedidas pelo Green Building Council (GBC), organização não-governamental internacional responsável pela certificação. 

 Segundo o presidente da GLP Brasil, Mauro Dias, a sustentabilidade está no centro dos projetos da empresa, sendo um valor que se alinha perfeitamente à estratégia da GLP de buscar sempre a maior eficiência logística para seus clientes. “Seja na construção ou nas operações diárias, reduzir o consumo de energia, reutilizar a água e otimizar a iluminação e ventilação são ações que beneficiam toda a sociedade, ao mesmo tempo em que proporcionam redução de custos para nossos clientes”, explica. 

 O executivo destaca que, desde o início das operações da GLP no Brasil, em 2012, todos os empreendimentos desenvolvidos pela empresa são projetados de acordo com os mais altos padrões estabelecidos pelas principais certificações de sustentabilidade presentes no mercado. “Temos nos utilizado de nossa posição de liderança no mercado brasileiro para inspirar todo o ecossistema logístico na direção de um futuro mais sustentável para todos”, afirma Dias. 

 No setor de galpões logísticos, em especial nas instalações de alto padrão como as desenvolvidas pela GLP, o uso racional de recursos naturais e redução de impactos ambientais são fatores essenciais. As iniciativas sustentáveis dos parques logísticos oferecem aos clientes centros de distribuição alinhados às práticas de ESG e que também promovem redução de custos operacionais. Isso é possível devido a características específicas dos projetos da empresa, como o aproveitamento de iluminação natural – reduzindo até 100% do custo de energia; utilização de lâmpadas LED, que permitem redução de até 70% no consumo; e o reúso de água, reduzindo o consumo hídrico em até 40%.

Geração de energia e valor

 

Uma das soluções sustentáveis que já vem sendo aplicadas no mercado brasileiro de galpões é a geração de energia solar dentro dos próprios parques logísticos. Em 2020, ao lado da DHL, a GLP iniciou as operações da maior usina solar dentro de um parque logístico no Brasil, em Louveira. Em 2021, a empresa inaugurou uma nova usina, em parceria com a Comfrio. As placas fotovoltaicas instaladas no telhado dos galpões são responsáveis pela geração de energia limpa e renovável para as operações dos clientes.

 Como gestora de investimentos, a GLP concluiu sua primeira emissão de debêntures verdes, com valor de operação de R$ 150 milhões. Os recursos foram investidos no portfólio de instalações logísticas de alto padrão da empresa em Duque de Caxias (RJ). A operação recebeu parecer técnico da consultoria Sitawi, atestando que se trata de uma emissão verde, baseada na análise dos aspectos socioambientais do projeto, bem como as práticas de ESG da empresa.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.