Home Notícias Reorganização do modelo de negócio com base na economia circular será chave para agro sustentável

Reorganização do modelo de negócio com base na economia circular será chave para agro sustentável

por redação

Exemplo bem-sucedido em logística reversa e referência mundial, atuação do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias é destaque na primeira live do “Caminhos do Agro SP”

Um dos quesitos que integra o conceito de Economia Circular é a logística reversa, que tem como principal missão reduzir os resíduos com difícil capacidade de absorção pela natureza. Este foi o tema central do primeiro episódio do projeto “Caminhos do Agro SP”, exibido no dia 17 de agosto, uma realização da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo em conjunto com a TV Cultura e a iniciativa privada. O episódio apresentou um dos exemplos mais bem sucedidos de Economia Circular: a atuação do inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), gestor do Sistema Campo Limpo, cujo dia nacional é comemorado em 18 de agosto.

Com o Sistema Campo Limpo, que faz a logística reversa de embalagens e sobras pós-consumo de defensivos agrícolas, o inpEV alcançou o maior índice de recebimento de embalagens do mundo, atingindo a marca de 94%. Ele abrange todas as regiões do Brasil e tem como base o conceito de responsabilidade compartilhada.

Segundo o Diretor-presidente do inpEV, João Cesar Rando, além de trazer a sustentabilidade ao meio ambiente, o Sistema gera renda e empregos, agregando valor ao material pós-consumo. “Temos movimentado, anualmente, com tudo aquilo que diz respeito ao custo, investimento e o que é gerado pela reciclagem dentro de todo o programa, cerca de R$ 450 milhões. E, evidentemente, quando nós fazemos isso, estamos evitando de consumir recursos naturais não renováveis que são tão importantes para o futuro”, aponta Rando.

A discussão foi moderada pelo Secretário de Estado Agricultura e Abastecimento de São Paulo, Gustavo Junqueira e contou também com a participação do Secretário de Estado de Infraestrutura e Meio Ambiente de São Paulo, Marcos Penido.

Para Junqueira, o Sistema Campo Limpo é um caso concreto de Economia Circular, pois o resíduo é gerido dentro da própria cadeia produtiva. Isso gera valor econômico e desenvolvimento sustentável. “Reorganizar o modelo de negócio com base na Economia Circular será chave para consolidarmos o Brasil como potência agro sustentável”, reforça o Secretário de Agricultura. “A sustentabilidade também surge como um novo parâmetro tecnológico e que vai, sem dúvida alguma, através da Economia Circular dar o direcionamento de como a sociedade se transformará, ou seja, como serão criados novos negócios baseados na Economia Circular”, salienta.

Para ele, a eficiência dos resultados virá sempre de uma boa gestão. “Sustentabilidade é resultado de gestão financeira, de pessoas, dos ativos ambientais e de vários outros componentes da atividade produtiva”.

O Secretário de Estado de Infraestrutura e Meio Ambiente de São Paulo, Marcos Penido, enfatizou que a Economia Circular, além dos benefícios para o meio ambiente e da revisão da matriz de produção, vem para reforçar no País algo que precisa ser fortalecido: o não descarte regular de lixo, a necessidade da reciclagem e o aproveitamento dos resíduos.

“Quando descartamos de maneira equivocada um material reciclável, estamos desperdiçando dinheiro e oportunidade de contribuir com o meio ambiente. Além disso, há um fator agravante, pois pagamos por esse desperdício, que vira volume no caminhão de lixo e no aterro sanitário. É um contrassenso”, ressalta Penido.

O episódio 1 completo do projeto “Caminhos do Agro SP” pode ser assistido em:

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário