Home Notícias Planta conceito de reciclagem mecânica avançada, na Alemanha, une química com tecnologia

Planta conceito de reciclagem mecânica avançada, na Alemanha, une química com tecnologia

por redação

A planta conceito separa os resíduos plásticos pós-consumo e produzirá pellets de polímero totalmente formulados prontos para o mercado

A TOMRA e a Borealis anunciaram o início operacional de sua planta conceito de reciclagem mecânica avançada em Lahnstein, Alemanha, o resultado de uma parceria que une química com tecnologia para resultados insuperáveis.
“Esta fábrica é apenas o começo do que é possível quando os principais participantes da cadeia de valor se unem para causar um impacto realmente significativo no mercado”, disse Volker Rehrmann, vice-presidente executivo e chefe de economia circular da TOMRA. “Tendo acabado de lançar a nova Divisão de Economia Circular, está claro o grande papel que a gestão de resíduos e projetos essenciais como este têm na caminhada em direção a um futuro sustentável. Estamos orgulhosos de ter iniciado uma das fábricas de reciclagem mecânica mais avançadas quando se trata de resíduos de polímeros pós-consumo. Isso se tornará um facilitador importante à medida que acelerarmos a transformação para uma economia circular nos próximos anos, e estamos entusiasmados por fazer parte deste projeto pioneiro”.
“Esta planta incorpora os princípios da plataforma EverMinds ™ fundada pela Borealis, que busca inovar a circularidade dos plásticos por meio da colaboração”, disse Lucrèce Foufopoulos, vice-presidente executivo da Borealis em Poliolefinas, Inovação e Tecnologia e Soluções de Economia Circular. “Oferecer às grandes marcas e aos transformadores material reciclado de alta qualidade, adequado para uso em aplicações altamente exigentes, é a mais recente contribuição da Borealis para uma economia mais circular de plásticos. A vida exige progresso e, por meio da colaboração, reinventamos para uma vida mais sustentável”
A operação da planta é uma empresa conjunta entre TOMRA, Borealis e Zimmerman. A Borealis é responsável pelo sucesso comercial da planta e contribui com sua experiência e conhecimento em inovação, reciclagem e composição. Da mesma forma, a TOMRA contribui como fornecedora de soluções baseadas em tecnologia e traz sua experiência comprovada, processos estabelecidos e conhecimento de mercado que, por sua vez, permitem a economia circular através de sistemas avançados de coleta e triagem. A Zimmerman é uma empresa de gerenciamento de resíduos com experiência na triagem de vários tipos de resíduos, incluindo plásticos, e é responsável pelo sucesso das operações da fábrica e da qualidade do produto.
A planta de última geração processa resíduos plásticos rígidos e flexíveis de residências. E, ao contrário de muitas fábricas de reciclagem atuais, ela produzirá as soluções avançadas necessárias para uso em aplicações de plástico de alta demanda em vários setores, incluindo automotivo e produtos de consumo. Com alta pureza, baixo odor, alta consistência do produto e frações de cor clara, esses polímeros reciclados de grau Borcycle ™ M atenderão aos requisitos de qualidade do cliente em toda a cadeia de valor.
O objetivo desta planta conceito é produzir material para que as grandes marcas e transformadores possam testar, validar e qualificar o uso dessa resina reciclada em suas aplicações altamente exigentes. O sucesso técnico estabelecerá as bases para uma usina de reciclagem avançada em escala comercial.
“Na P&G, estamos fazendo embalagens com a ‘próxima vida’ em mente para ajudar a impulsionar uma economia circular mais robusta. Devemos aumentar o fornecimento de plástico reciclado de alta qualidade para permitir que a indústria cumpra essa visão”, afirma Gian De Belder, diretor técnico da Procter & Gamble (P&G), Sustentabilidade de Embalagens de P&D. “A nova abordagem inovadora que a TOMRA e a Borealis estão adotando mostra o potencial para mudar a quantidade e a qualidade do PCR disponível para nossas marcas e nos ajuda a atingir nossa meta para 2030 de reduzir nosso uso de plástico virgem em embalagens em 50%, ou 300 mil toneladas anualmente. Os primeiros testes do material parecem muito promissores!”.
“Na Henkel, queremos reduzir o plástico virgem de origem fóssil para 50 por cento até 2025 – por exemplo, aumentando a participação de plásticos reciclados para mais de 30 por cento globalmente. Um grande desafio para embalagens mais circulares é a disponibilidade de plásticos reciclados de alta qualidade que podem ser usados nas embalagens de nossas marcas”, comenta Thorsten Leopold, diretor internacional de Tecnologia de Embalagem para Cuidados Domiciliares da Henkel. “Estamos, portanto, muito animados que este projeto reúna três especialistas comprovados ao longo da cadeia de valor com a ambição de elevar a reciclagem mecânica a um novo nível.”
Para obter mais informações sobre o material, entre em contato com TCEinfo@tomra.com.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário