Home InformesGuias KPMG lança um novo guia de avaliação da materialidade para relatórios de sustentabilidade

KPMG lança um novo guia de avaliação da materialidade para relatórios de sustentabilidade

por redação

kpmgCom o objetivo de auxiliar os profissionais das áreas de preparação e divulgação de relatórios corporativos e de riscos a implementar um processo prático para identificar os tópicos sociais, ambientais e de governança de maior importância para uma empresa e suas partes interessadas, a KPMG acaba de lançar um novo guia de avaliação da materialidade para relatórios de sustentabilidade.

“O cenário de preparação e divulgação de relatórios está tornando-se cada vez mais complexo à medida que as estruturas conceituais de relatórios se multiplicam e evoluem e que as regulamentações se tornam cada vez mais exigentes. Muitas empresas entendem os princípios de materialidade na teoria, mas enfrentam dificuldades para elaborar e implementar um processo de avaliação robusto na prática. Produzimos esse guia com o objetivo de ajudá-las com um processo efetivo, mas que ao mesmo tempo não fosse demasiadamente complexo”, afirma o diretor da prática de Mudança Climáticas e Sustentabilidade da KPMG, Ricardo Zibas.

O guia da KPMG divide o processo de avaliação da materialidade em sete fases:

– Definição do escopo e da proposta

–  Identificação dos tópicos potenciais

– Categorização dos tópicos

– Coleta de informações sobre o impacto e a relevância

– Priorização

-Engajamento da administração

– Solicitação de feedback das partes interessadas.

A publicação fornece ainda orientações detalhadas e práticas para cada fase e inclui elementos que formam os requisitos mínimos para um processo robusto, bem como medidas avançadas elaboradas para organizações com estratégias de sustentabilidade mais estabelecidas.

O guia também destaca os desafios, dentre eles como conectar a materialidade em sustentabilidade com o negócio em sua maior amplitude, como envolver a Alta Administração no processo e como gerenciar as implicações de tempo e custo da participação das partes interessadas.

“Acreditamos que as empresas que integram o processo de materialidade de sustentabilidade ao processo de gestão de riscos corporativos estão em uma posição melhor para informar os investidores e as outras partes interessadas sobre os impactos, os riscos e as oportunidades de sustentabilidade”, analisa Zibas.

Insights sobre a Sustentabilidade: Os princípios básicos da avaliação da materialidade podem ser baixados em www.kpmg.com/sustainableinsight.

0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário