Home Notícias Gestão de resíduos pós-consumo amplia sustentabilidade no agronegócio

Gestão de resíduos pós-consumo amplia sustentabilidade no agronegócio

por redação

Safra recorde e aumento do mercado de máquinas agrícolas em 2021 impulsionam ações sustentáveis no setor

Com índices de crescimento significativos em 2021, o agronegócio brasileiro tem se tornado um dos principais setores da economia e a demanda por inciativas que proporcionem o desenvolvimento sustentável cresceu na mesma proporção que o setor. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra agrícola para o ano deve totalizar um recorde e crescimento estimado de 5,7% em relação ao ano anterior, que já havia sido a maior da história.

O crescimento no agro tem impulsionado também o mercado de máquinas agrícolas. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), a expectativa é de um aumento de 7% em comparação à 2020, que obteve um faturamento de R$ 144,5 bilhões, considerando vendas internas e externas.

Economia circular no agronegócio

Com a alta demanda por maquinário agrícola, aumentou também a geração de resíduos pós-consumo, entre eles o óleo lubrificante usado e contaminado (OLUC). Considerado um Resíduo Perigoso Classe I, segundo a NBR-10004, o OLUC é altamente poluente e, se destinado incorretamente, gera grandes danos à saúde e ao meio ambiente.

A coleta e reciclagem do óleo lubrificante usado é uma das atividades que apoiam a economia circular e a sustentabilidade no agronegócio. O óleo lubrificante é o material utilizado em máquinas, equipamentos e motores, como colheitadeiras, cultivadores motorizados, tratores, etc.

Conforme o uso, o lubrificante perde suas funções e desempenho devido a degradação de alguns aditivos. Com isso, ocorre a redução da refrigeração e aumento do atrito e a troca do óleo torna-se necessária.

A legislação brasileira determina que todo óleo lubrificante usado deve ser coletado e destinado para a reciclagem, por meio do rerrefino, e proíbe taxativamente o uso do resíduo como combustível, para queima ou para quaisquer outros fins.

Potencial para destinação adequada

O Brasil está entre os cinco maiores mercados no mundo em termos de coleta e rerrefino do OLUC. De acordo com Aylla Kipper, gerente de Relações Institucionais e Sustentabilidade da Lwart Soluções Ambientais, há uma quantidade significativa de OLUC que ainda não é destinada corretamente. “Apesar dos 450 milhões de litros de óleo lubrificante usado ou contaminado que são coletados adequadamente, um volume próximo de 150 milhões de litros é destinado de forma inadequada e não passa pelo processo legal de rerrefino no Brasil. Uma fatia significativa deste volume coletado no País vem do agronegócio”, destaca a executiva.

Segundo ele, a Lwart Soluções Ambientais coletou em 2020, só no setor de mineração e agronegócio, mais de 18 milhões de litros de óleo lubrificante usado.

Considerada referência mundial em rerrefino de óleo lubrificante usado, a Lwart é a primeira rerrefinadora da América Latina a produzir óleos básicos de alto desempenho, do Grupo II, matéria-prima principal na produção do óleo lubrificante. A tecnologia empregada no rerrefino do OLUC pela Lwart, consegue reaproveitar praticamente 100% do resíduo que entra no processo industrial. Um processo ecoeficiente no qual nada se perde, toda matéria-prima é aproveitada de alguma forma.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário