Home SeçõesEconomia Verde Comissão Nacional para os ODS vai avançar com ações no Brasil

Comissão Nacional para os ODS vai avançar com ações no Brasil

por redação

Composta por oito atores governamentais e oito da sociedade civil, a comissão propôs os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável e composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030

A Comissão Nacional para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) tomou posse, dia 29 de junho de 2017, em cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília. Formada por representantes do governo e da sociedade civil — incluindo integrantes do setor privado —, a comissão, escolhidos por meio de seleção pública, tem como missão avançar na implementação no Brasil da agenda global proposta pela ONU. A ONG Visão Mundial foi uma das selecionadas para compor a seleção dos representantes.

A Agenda 2030 faz parte de um Protocolo Internacional da Assembleia Geral das Organizações das Nações Unidas assinado pelo governo brasileiro em conjunto com 193 países e que define a estratégia mundial de desenvolvimento sustentável para os próximos anos. Reúne contribuições do diálogo entre governos e sociedade civil, construídos desde a Rio +20 que resultou na inserção de novas temáticas ao desenvolvimento sustentável tais como: indústria, inovação, infraestrutura, trabalho, crescimento econômico, paz e justiça, mudanças climáticas, e outros. Até 2030 o Brasil se comprometeu a alcançar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e suas 169 metas que buscam, dentre outras, erradicar a pobreza e a fome; reduzir as desigualdades; combater mudanças climáticas; promover o crescimento econômico inclusivo.

O ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, responsável por coordenar a comissão, ressaltou que o Brasil está no caminho para o cumprimento dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), e que a Comissão Nacional é um grande passo para o alcance da Agenda 2030. “Estamos olhando para o desenvolvimento sustentável em todas as suas dimensões: econômica, social, ambiental e institucional”, disse.

Durante a cerimônia, o coordenador residente das Nações Unidas no Brasil, Niky Fabiancic, que a comissão terá papel central na implementação da Agenda 2030. “É preciso promover a atuação de governantes, gestores, representantes de movimentos sociais e do setor privado. Esta comissão que toma posse hoje vem fortalecer os esforços de implementação dos ODS. Essas organizações terão papel fundamental na orientação do planejamento e das ações para o avanço brasileiro na implementação da Agenda 2030”, ressaltou.

Comissão Nacional
Foram selecionados, por meio de edital, representantes da esfera municipal, da sociedade civil – sendo esta dividida em três grupos: que representam ou tenham como associadas ou filiadas entidades que desenvolvam atividades nos campos do ensino, pesquisa e extensão; que representam ou tenham como associadas ou filiadas empresas e institutos e fundações empresariais; e que representam ou tenham como associadas ou filiadas entidades que desenvolvam ações e projetos sem fins lucrativos – e do governo estadual e distrital.

Representantes dos ministérios de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; Meio Ambiente; Relações Exteriores; Desenvolvimento Social; Secretaria de Governo da Presidência da República e Casa Civil fazem parte da Comissão, pelo governo federal.

A Associação Brasileira de Entidades Estaduais do Meio Ambiente (ABEMA) representa a esfera estadual, e a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), os governos municipais.

Pela sociedade civil, fazem parte da comissão a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Instituto ETHOS de Empresas e Responsabilidade Social, o Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS), a União Geral dos Trabalhadores (UGT), a Visão Mundial e a Fundação Abrinq pelos Direitos das Crianças e dos Adolescentes.

A secretaria executiva da comissão será exercida pela Secretaria Nacional de Articulação Social. O assessoramento técnico da comissão será responsabilidade do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Como uma das representantes da sociedade civil que desenvolve ações e projetos sem fins lucrativos, a Visão Mundial, maior ONG humanitária do mundo, integra a parceria World Vision International, que está presente em cerca de 100 países. No Brasil, a Visão Mundial atua desde 1975 em 10 estados, beneficiando 2,7 milhões de pessoas com projetos nas áreas de educação, saúde/proteção da infância, desenvolvimento econômico e promoção da cidadania. Seus projetos e programas têm como prioridade as crianças e adolescentes que vivem em comunidades empobrecidas e em situação de vulnerabilidade. Mais de 80 mil crianças são atendidas anualmente pela organização. Nesses 40 anos de atuação no Brasil, a Visão Mundial se consolida como uma organização comprometida com a superação da pobreza e da exclusão social.

Sobre os ODS
São uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030.

Nesta agenda estão previstas ações mundiais nas áreas de erradicação da pobreza, segurança alimentar e agricultura, saúde, educação, igualdade de gênero, redução das desigualdades, energia, água e saneamento, padrões sustentáveis de produção e de consumo, mudança do clima, cidades sustentáveis, proteção e uso sustentável dos oceanos e dos ecossistemas terrestres, crescimento econômico inclusivo, infraestrutura e industrialização, governança, e meios de implementação.

Os ODS foram construídos em um processo de negociação mundial, que teve início em 2013 e contou com a participação do Brasil em suas discussões e definições a respeito desta agenda. O país tendo se posicionado de forma firme em favor de contemplar a erradicação da pobreza como prioridade entre as iniciativas voltadas ao desenvolvimento sustentável.

Os temas podem ser divididos em quatro dimensões principais: Social: relacionada às necessidades humanas, de saúde, educação, melhoria da qualidade de vida e justiça; Ambiental: trata da preservação e conservação do meio ambiente, com ações que vão da reversão do desmatamento, proteção das florestas e da biodiversidade, combate à desertificação, uso sustentável dos oceanos e recursos marinhos até a adoção de medidas efetivas contra mudanças climáticas; Econômica: aborda o uso e o esgotamento dos recursos naturais, a produção de resíduos, o consumo de energia, entre outros. Institucional: diz respeito às capacidades de colocar em prática os ODS.

0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário