Home SeçõesEconomia Verde Coca-Cola FEMSA Brasil comemora bons resultados em ações de sustentabilidade

Coca-Cola FEMSA Brasil comemora bons resultados em ações de sustentabilidade

por redação

Entre as iniciativas, a empresa tem investido em projetos de eficiência hídrica, gestão para o aumento de resíduos industriais reciclados, plantio de mil mudas para restauração florestal, e a manutenção de projetos voltados para a educação ambiental

Apesar dos desafios impostos pela pandemia, o ano de 2020 representou um marco na operação da Coca-Cola FEMSA Brasil no que diz respeito às ações ambientais. Entre os principais feitos estão as iniciativas de eficiência hídrica que permitiram a redução da quantidade de água necessária para a produção de bebidas, a ampliação do volume de resíduos industriais reciclados, o diagnóstico para o lançamento de um projeto de neutralidade hídrica nas plantas de água Crystal, o plantio de 100 mil mudas para restauração florestal e a manutenção de projetos voltados para a educação ambiental. O compromisso com a saúde do planeta garantiu à companhia, pelo 8º ano consecutivo, fazer parte do Índice de Sustentabilidade MILA Pacific Alliance, da Dow Jones, um indicador de desempenho financeiro, indexado à Bolsa de Nova York, cujas empresas listadas englobam em sua gestão não só fatores econômicos, como também sociais e ambientais.

“O pilar ambiental de nossa estratégia de sustentabilidade é essencial para o funcionamento do negócio, principalmente no que diz respeito aos temas prioritários como água, energia e resíduos. Ano após ano, com metodologias e tecnologias de eficiência utilizadas na produção, reduzimos o volume de recursos naturais necessários para produzir e vender nossas bebidas”, comemora Ian Craig, CEO da Coca-Cola FEMSA Brasil, reforçando que uma das principais preocupações diz respeito a resíduos, um desafio de ordem mundial.

Projeto Mundo sem Resíduos

Reduzir o descarte incorreto e reciclar as garrafas após o uso são as duas principais diretrizes nesse sentido. Por isso, a Coca-Cola FEMSA Brasil faz parte da iniciativa World Without Waste (Mundo Sem Resíduos, em português), lançado pela Coca-Cola Company em 2018, que tem como objetivo coletar e reciclar o equivalente a cada embalagem vendida até 2030.

Atualmente, as garrafas PET verdes são produzidas com 100% de resina reciclada, e as incolores, com 50%. O portfólio de produtos com embalagens retornáveis vem sendo ampliado. Reduziu-se o peso das embalagens (menos 3,5 mil toneladas somente em 2020), o que acarreta na diminuição das emissões de carbono e gera menos desperdício.

Dentro desse pilar, a sustentaPET, criada em 2019, é um dos destaques. Com o objetivo de dinamizar a cadeia de reciclagem do PET, o projeto se destaca também pelo caráter social, gerando renda para cooperativas e catadores. “A ideia é fortalecer a reciclagem inclusiva, fomentando a profissionalização do trabalho de catadores de material reciclado autônomos e cooperativas”. Buscamos oferecer um preço mais justo de compra do PET, incentivando a coleta do resíduo e garantindo uma remuneração acima do mercado”, explica Camila Amaral, Diretora Jurídica e de Assuntos Corporativos da Coca-Cola FEMSA Brasil.

O objetivo era coletar 10 mil toneladas de garrafas para reciclagem. A meta não só foi alcançada como excedida: recolheram-se 12 mil toneladas no ano passado. O trabalho desenvolvido na sustentaPET culminou com um grande feito: em 2020, a Coca-Cola FEMSA Brasil se tornou pioneira na fabricação e envase da única garrafa de água mineral do mercado brasileiro 100% feita com PET reciclado, a nova Crystal.

Foco no uso da água

A água é a principal matéria-prima dos produtos da Coca-Cola FEMSA Brasil. Justamente por isso é necessário desenvolver iniciativas nesse sentido. Um dos destaques da companhia em 2020 foi a Água Mineral Crystal, a primeira garrafa de água mineral feita com 100% de PET reciclado no Brasil! A água é produzida nas fábricas de Bauru e Mogi das Cruzes (SP). Por meio da aplicação de conceitos da Economia Circular, foi possível adequar mudanças no processo produtivo, que resultaram em ganhos para o meio ambiente e para a sociedade.

“Quanto ao uso de água no processo produtivo, mais do que investir em melhoria contínua e eficiência hídrica nas nossas fábricas, também estamos dando um passo além. Nossa intenção é darmos continuidade a um projeto de neutralidade hídrica, no qual devolveremos toda a água utilizada na produção de Crystal para a natureza”, garante Camila.

Gasto energético e redução de emissões

Reduzir o gasto energético em todas as operações tem sido um dos objetivos principais da Coca-Cola FEMSA. Em 2020, em função da pandemia, a companhia enfrentou o desafio de paralisar as produções sem planejamento prévio e sem desativar as máquinas, o que gerou um gasto energético que não foi diluído entre os produtos. “Em seguida, tivemos picos de produção para abastecer nossos clientes, aumentando a capacidade das fábricas. Esse tipo de variação acaba impactando nosso indicador de consumo energético, mas, ainda assim, foi possível fechar o ano com uma redução, quando comparamos com 2019. Desde 2017 o consumo vem caindo gradativamente”, celebra Ian Craig.

No ano passado de forma corporativa, assumimos um compromisso público a nível global com a SBTi (Science based Targets initiative) – entidade internacional que reúne instituições em prol de ações climáticas – visando reduzir as emissões de gases poluentes em 50% nas operações e em 20% na cadeia de valor até 2030. Além disso, tal acordo também engloba o uso de energia, cujo objetivo é funcionar com 100% de energia renovável.

“É do interesse da companhia dar continuidade ao acompanhamento do volume de emissões, traçando indicadores para monitoramento e um plano de ação para sua redução”, declara o CEO. “Estamos em fase final de negociações para a adoção de veículos elétricos, o que nos garantirá a redução de emissões e será uma das nossas contribuições frente aos problemas que as mudanças climáticas representam para a humanidade e para o planeta, reforçando nosso compromisso de atuar em uma economia de baixo carbono”, completa o CEO.

Geração + Verde

Interrompido devido à pandemia mundial, o Projeto Geração + Verde, em parceria com a Prefeitura de São Paulo e a Coca-Cola Brasil, o Projeto Geração + Verde já efetuou a doação de 150 mil mudas de espécies nativas da Mata Atlântica para a cidade de São Paulo e – ao término da ação, serão 300 mil mudas doadas para a prefeitura.

Outras 300 mil mudas serão plantadas em áreas do Estado de São Paulo, de forma a contribuir para preservar os mananciais que fazem parte da bacia hidrográfica que abastece importantes regiões do estado. O primeiro plantio de 90 mil mudas ocorreu em Analândia (SP) pelo seu grande potencial de nascentes que abastecem a bacia hidrográfica do rio Corumbataí. Como resultado, cerca de 460 mil pessoas que moram nessa região foram beneficiadas. No final de 2020, a Coca-Cola FEMSA Brasil atingiu a marca de 100 mil mudas de espécies nativas da Mata Atlântica plantadas no Parque Anhanguera, em SP. O total equivale a 200 hectares de mananciais que fazem parte da bacia hidrográfica responsável pelo abastecimento da capital paulista.

O projeto inclui ainda a doação de mudas para estudantes da região de Jundiaí com o objetivo de promover a educação ambiental com foco no uso racional dos recursos hídricos.

Educação ambiental

A educação muda o mundo. Partindo desse princípio, a Coca-Cola FEMSA Brasil idealizou o Minha Galera Faz Eco, iniciativa de educação e conscientização ambiental voltado para professores e alunos do Ensino Fundamental, entre o 7º e o 9º anos, de escolas públicas e particulares. Realizado anualmente em Minas Gerais, abrange os arredores da planta de Itabirito da companhia, nos municípios de Brumadinho, Itabirito, Nova Lima e Moeda. Em 2020, chegando à sua 5ª edição, foi adaptado para uma imersão online. Foram alcançados 92 alunos em seis escolas.

Outro projeto relevante é o RenovAção, realizado em parceria com a Prefeitura de Jundiaí e com a organização GAIA Social, que teve seu escopo ampliado em 2020 em função da nova realidade das escolas com a pandemia. A primeira etapa foi a implementação e manutenção dos equipamentos de coleta seletiva, englobando mais seis escolas da região, totalizando 10 colégios atendidos. Além disso, investiu-se na formação e reciclagem de conhecimento das equipes gestoras de cada unidade por meio de oficinas sobre educação ambiental, tornando-os multiplicadores do tema. Os alunos também receberam, virtualmente, materiais educativos de sensibilização para se tornarem agentes de mudança em suas casas.

Entre os principais resultados está a implementação de coleta seletiva nas escolas: foram instaladas 13 lixeiras de 60 litros e 62 lixeiras de 23 litros, além de 12 contêineres de 500 litros. Para a formação de multiplicadores, foram criados cinco vídeos educativos, com 6,2 mil alunos sensibilizados.

Importante citar o Centro de Educação Ambiental em Itabirito, inaugurado em outubro de 2020, mas ainda sem data de abertura ao público definida em função da pandemia. Com o objetivo de despertar consciência ambiental e levar informação relevante para nossos stakeholders locais, o CEA de Itabirito traz, de forma educativa, atividades lúdicas e interativas de sensibilização sobre o meio ambiente. Os conceitos norteadores, definidos após um diagnóstico participativo em conjunto com as comunidades, deram vida às temáticas trabalhadas em cada sala: Cidadania Ambiental, Educação, Consumo Consciente e Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

“Também demos início a campanhas de comunicação, internas e externas, para a conscientização sobre a crise climática enfrentada no mundo. Acreditamos que cada ação faz a diferença, seja ela uma pequena mudança de hábito individual ou grandes inovações implementadas no processo produtivo”, explica Craig.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário