Home SeçõesEconomia Verde Brasil ratifica acordo do clima de Paris

Brasil ratifica acordo do clima de Paris

por redação
Presidente Michel Temer durante cerimônia de ratificação do Acordo de Paris sobre mudança do clima. Foto: Beto Barata/PR

O ministro José Serra; o presidente Michel Temer;  presidente da Câmara, Rodrigo Maia; e o ministro Sarney Filho, durante cerimônia de ratificação do Acordo de Paris sobre mudança do clima, em Brasília/DF. Foto: Beto Barata/PR

 

 

 

O Brasil se tornou nesta segunda-feira (12 de setembro) o terceiro grande emissor de gases de efeito estufa a ratificar o Acordo de Paris — compromisso firmado em dezembro de 2015 entre mais de 180 nações durante encontro sobre clima na capital francesa. O documento, que prevê limitar o aumento da temperatura do planeta em até 2ºC, foi assinado pelo presidente Michel Temer (PMDB), em cerimônia realizada no Palácio do Planalto. No início do mês, durante o encontro do G20, EUA e China anunciaram juntos a ratificação do texto.

Antes de ir à sanção presidencial, o texto passou pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. Agora, os objetivos contidos no tratado passam a ser lei no país. Com o Acordo de Paris valendo como lei no Brasil, as metas climáticas brasileiras, conhecidas como INDC (Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida), deixam de ser apenas promessas e se tornam compromissos climáticos formais –a INDC perde o “i”, de “intended” (“pretendida”, em inglês), virando NDC.

Essas metas traçam objetivos globais, mas não detalham como eles serão alcançados. O ministério do Meio Ambiente anunciou hoje que será elaborada uma estratégia de implementação das metas, apontando os instrumentos de financiamento, e que o primeiro rascunho do plano deve ser apresentado na Conferência do Clima de Marrakech, em novembro deste ano.

Compromissos brasileiros

O objetivo do governo brasileiro é que a NDC seja implementada a partir de 2017. Ela prevê um corte de 37% nas emissões do país em 2025 em relação aos níveis de 2005. Para isso, o governo elencou uma série de políticas, como a restauração de 15 milhões de hectares de pastagens degradadas, o reflorestamento de 12 milhões de hectares e o fim do desmatamento ilegal na Amazônia até 2030. Há também compromissos com medidas nas áreas de transportes, indústria e energia – como expandir o uso de fontes renováveis de energia e aumentar a oferta de etanol.

Durante a cerimônia de ratificação, o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, disse que as ações de mitigação do aquecimento global com as quais o Brasil se comprometeu devem ganhar centralidade nas políticas econômicas e de inclusão social. “É oportunidade para reorientarmos o projeto de desenvolvimento nacional se agirmos de maneira firme e ambiciosa”, disse.

O ministro prometeu que os compromissos brasileiros para o clima acontecerão junto com o crescimento econômico, o combate à pobreza, a geração de emprego de qualidade, inovação e investimento “verde” (iniciativas com baixa emissão de carbono), mas não deu detalhes sobre o plano de implementação, que envolveria preservação de áreas de proteção ambiental e parques nacionais, incentivo ao turismo ambiental comunitário nessas áreas e divulgação em tempo real de dados de desmatamento da Amazônia e do Cerrado.

Em seu discurso, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, defendeu mais incentivos à produção de etanol e a exportação de alimentos pelo Brasil com a marca de “fruto da agricultura mais sustentável do mundo”.

Críticas e esperança

O secretário executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl, que estava na cerimônia como representante da sociedade civil, aproveitou para fazer críticas a políticas que distanciam o Brasil da meta. “Planeja-se termoelétricas a carvão enquanto outros países fecham as suas. Desrespeitam direitos dos povos indígenas e tradicionais. Reduz-se áreas de preservação”, afirmou. “A nossa única ponte para o futuro é do desenvolvimento limpo”, disse, em uma referência ao nome do programa de governo de Temer.

Rittl defendeu fontes de energia limpa, como eólica e solar, e criticou a meta de zerar o desmatamento ilegal “apenas na Amazônia e apenas em 2030”, dizendo que ela não é suficiente. Ele também criticou o fato de que uma parte muito pequena do crédito rural é destinada à agropecuária mais sustentável. “Saída da crise passa por escolhas certas e pela economia de baixo carbono”, completou.

Rittl, no entanto, vê a ratificação como um “excelente” sinal. “Esperamos, agora, que ela venha acompanhada da necessária reorientação da economia brasileira para que o Acordo de Paris se torne realidade”.

“O Brasil assume papel de protagonista na implementação do Acordo de Paris ao ser um dos primeiros entre os dez maiores emissores do mundo a ratificá-lo”, diz André Ferretti, coordenador-geral da ONG. “A mensagem é clara: não podemos esperar mais quatro anos para tornar o acordo realidade. Se quisermos evitar os piores impactos das mudanças climáticas, é preciso agir já”, completa.

Nos próximos dias, durante a Assembleia Geral da ONU, o secretário-geral Ban Ki-moon organizará um evento especial para os países depositarem seus instrumentos de ratificação.

Acordo ganha ratificações

Para passar a vigorar, o Acordo de Paris precisa das ratificações de 55 países, que respondam por pelo menos 55% das emissões globais de gases de efeito estufa.

O Brasil é um dos dez maiores emissores de carbono do planeta. Com os EUA (responsáveis por 17,89% das emissões), China (20,09%) e Brasil (2,48%), o acordo chega a 41,54% das emissões globais, de acordo com a conta oficial de emissões da Convenção do Clima.

Faltaria apenas os países da União Europeia (10,55% das emissões e 27 países) para chegar perto dos dois critérios (seriam 52 países e 52,09% das emissões).

A ratificação da UE deve ser mais lenta pelo número de países que precisam primeiro aprovar o acordo internamente.

Segundo a ONG Climate Analytics, caso países médios emissores, como Argentina, Canadá e Austrália, ratifiquem o Acordo em breve, como vêm declarando, o número de adesões chegaria a 57 países e 57,88% das emissões em 2016. Isso permitiria a entrada em vigor neste ano, quatro anos antes do prazo oficial, que é 2020.

Fonte: UOL

Posts relacionados

1 comentário

JOSÉ CARLOS CAMPOS RIBEIRO -

NÃO VEJO O BRASIL O COMO TERCEIRO LUGA MUNDIAL EM POLUIÇÃO DOS GASES AFEITO ESTUFA DEVEMOS PENSA QUE O BRASIL TEM UM PROJETO EM DESPOLUIR O AR QUÍMICO EXPELIDO PELOS VEÍCULOS A DIESEL , QUE É DE MINHA AUTORIA , QUE ESTA REGISTRADO NO INPI RJ DEVEMOS JÁ COM RECEBER COTAS DE CARBONOS DO EXTERIOR , NÃO SER O TERCEIRO LUGA , VAMOS VALORIZA , O BRASIL MESQUITA RJ

Resposta

Deixe um Comentário