Home SeçõesEconomia Verde Brasil pode gerar até US$100bi em receitas de créditos de carbono

Brasil pode gerar até US$100bi em receitas de créditos de carbono

por redação

Projeção feita pela WayCarbon, em estudo encomendado pela ICC Brasil, aponta oportunidades para os trades de agro, florestas e energia até 2030, com recomendações ao governo brasileiro e ao setor privado. Pauta será destaque na COP26

Em 2021, vivemos na pele o impacto direto das mudanças climáticas, com registros recordes de temperatura, aumento de desastres naturais e prejuízos à biodiversidade ao redor do mundo.

Esses sinais acendem um alerta urgente e direcionam as discussões e políticas públicas em torno do combate às mudanças em curso, sobretudo em um ano tão importante e decisivo, com a realização da 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP26, que acontece em novembro.

Diante deste contexto, a ICC Brasil, capítulo nacional da maior organização empresarial do mundo, em parceria com a WayCarbon, maior consultoria estratégica com foco exclusivo em sustentabilidade e mudança do clima na América Latina, desenvolveram um estudo inédito sobre as oportunidades para o Brasil em mercados de carbono. Com o apoio da Suzano, Microsoft, Shell, Natura, Bayer e bp, as instituições apuraram que o potencial de geração de receitas com créditos de carbono até 2030 para o Brasil ficaria em torno de US$493 milhões e US$ 100 bilhões. Isso equivaleria a 1 gigaton (1bi de toneladas de CO2 equivalentes) ao longo da próxima década para os setores de agro, floresta e energia.

Hoje, há um registro acumulado de mais de 14.500 projetos de crédito de carbono ao redor do globo, que corresponderam à geração de quase 4 gigatons de tCO2 de créditos até 2020.

Mercado de carbono e oportunidades para o Brasil

O crédito de carbono é um instrumento econômico que visa a diminuição dos gases de efeito estufa, que provocam o agravamento das mudanças climáticas. Esses créditos fazem parte de um mecanismo de flexibilização, que auxilia os países ou empresas que possuem metas de redução de emissão de gases de efeito estufa a alcançá-las de forma mais custo efetiva. A cada tonelada reduzida ou não emitida desses gases, gera-se um crédito de carbono. Assim, quando um país ou empresa consegue reduzir a emissão, a depender das metodologias envolvidas, ele recebe um crédito.

O estudo aponta que, na próxima década, o Brasil tem potencial para suprir de 5% a 37,5% da demanda global do mercado voluntário e de 2% a 22% da demanda global do mercado regulado no âmbito da ONU. E, até mais, considerando as políticas públicas, nos mecanismos do artigo 6, gerando as receitas de 100 bilhões de dólares.

Visto a oportunidade de atuação nos mercados de carbono globais e o destaque para os setores agropecuário, florestal e energético, entende-se que há um caminho a ser percorrido pelo governo brasileiro e pelo setor privado a fim de destravar e alavancar tais oportunidades de geração de receita, renda, saúde e bem-estar social. O estudo traz mais de 10 recomendações essenciais, mas há dois passos que são chave. O primeiro é entender os mercados de carbono como potencial de destravar oportunidades financeiras para planos de recuperação econômica e aceleração do crescimento sustentável da economia brasileira e o segundo, desenvolver sistemas de monitoramento, relato, verificação e redução de emissões robustos que abarquem todos os setores produtivos da NDC (Contribuição Nacionalmente Determinada) brasileira.

 Pontos-chaves para o setor:

 Setor Agropecuário:

Potencial de geração de crédito de carbono: entre 10 e 90 Milhões tCO2e (até US$ 9 bi em cenário otimista)

Focos de investimentos: Sistemas integrados de lavoura e pecuária (ILP), e lavoura, pecuária e florestas (ILPF), agricultura de baixo carbono (ABC) , com foco principal em fixação do nitrogênio e plantio direto. Intensificação da pecuária bovina de corte, que inclui recuperação de pastagens degradadas, a adubação de pastagens extensivas e o confinamento

Cobenefícios socioambientais: redução da pressão sobre o desmatamento, melhoria da qualidade das condições de trabalho e contribuição para a segurança alimentar

Oportunidades para a cadeia produtiva: novas fontes de renda para os produtores rurais, recuperação do potencial produtivo em áreas degradadas, garantia da competitividade entre os principais fornecedores agrícolas internacionais e fortalecimento de pequenos produtores.

 Setor de Florestas:

Potencial de geração de crédito de carbono: entre 71 e 660 Milhões tCO2e (até US$ 66 bi em cenário otimista)

Focos de investimentos: Reflorestamento, manejo e restauração florestal sustentável

Cobenefícios socioambientais: diminuição das erosões, manutenção na biodiversidade local, aprimoramento da qualidade e disponibilidade hídrica, efeitos positivos à saúde humana com a redução de desmatamento e queimadas

Oportunidades para a cadeia produtiva: geração de aproximadamente 7 milhões de empregos no Brasil

Setor de Energia:

Potencial de geração de crédito de carbono: entre 27 e 250 Milhões tCO2e (até US$ 25 bi em cenário otimista)

Focos de investimentos: turbinas hidrocinéticas, repotenciação das hidrelétricas, eólicas offshore, usina solar flutuante, cogeração, etanol de segunda geração, biocombustíveis avançados e hidrogênio verde

Cobenefícios socioambientais: segurança energética e geração de empregos e de renda

Oportunidades para a cadeia produtiva: novos empregos com quase 839 mil novos empregos com a geração de biocombustíveis, 166 mil com a geração de energia solar desde 2012 e 498 mil por ano para a geração de energia eólica entre 2011 e 2019

Quotes participantes do estudo

“Esse é um momento para o Brasil reconstruir sua credibilidade internacional e ninguém melhor que o setor privado para levar essa questão ao governo e autoridades. O estudo que desenvolvemos nos mostra claramente os benefícios econômicos e, consequentemente, sociais e ambientais que os mercados de carbono podem trazer para o Brasil. É uma oportunidade que não podemos deixar passar. E ainda soma-se a isso, especialmente neste ano de COP, o custo que o país terá em não reconstruir sua credibilidade junto à comunidade internacional”, pontua Gabriella Dorlhiac, diretora executiva da ICC Brasil.

As oportunidades potenciais de geração de crédito de carbono, identificadas pelo estudo, apontam reduções de gases do efeito estufa extremamente relevantes, além de inúmeros benefícios socioeconômicos e oportunidades de alavancagem na cadeia produtiva. “Mercados de carbono são uma solução econômica ganha-ganha. Além da redução urgente de emissões de GEE, a experiência evidencia benefícios que são fundamentais para o Brasil, como geração de emprego e renda, melhoria na qualidade das condições de trabalho, aprimoramento da qualidade e de disponibilidade hídrica e segurança energética”, avalia Laura Albuquerque, gerente de finanças sustentáveis da WayCarbon.

“No agro, muitas das práticas sustentáveis fazem parte da Agricultura de Baixo Carbono (ABC), que promove técnicas conservacionistas para mitigação da emissão de gases de efeito estufa e para captura de carbono no solo”, destaca Eduardo Bastos, diretor de Sustentabilidade da divisão agrícola da Bayer para a América Latina. “Mitigar essas emissões é uma prioridade da Bayer e também uma grande oportunidade para o agro, que pode ser uma parte importante da solução dos desafios climáticos. Estamos construindo, junto com agricultores e parceiros, um ecossistema de carbono, e só seremos bem-sucedidos se fizermos isso com base em trabalho colaborativo, ciência e tecnologia de ponta”, finaliza.

Para a bp, esse estudo demonstra de forma muito clara o potencial do Brasil em se tornar o principal ator na jornada global rumo à neutralidade. “As oportunidades de redução de emissões oferecem ao país uma condição única de poder cumprir seus compromissos climáticos e também ajudar outros países e instituições a cumprirem os seus, captando recursos importantes para o desenvolvimento econômico, social e a preservação ambiental”, afirma Celso Fiori, Head of Communications & Advocacy da bp Brasil. “Para isso, temos uma etapa fundamental dessa jornada a ser realizada, que é o avanço da regulamentação do Acordo de Paris durante a COP26”, pontua.

“A transição para uma economia de baixo carbono é uma das maiores oportunidades de negócio da nossa era. Gosto sempre de reforçar a importância da geração do lucro através do propósito e esta é uma forma de acelerarmos o crescimento econômico sustentável do nosso País. Não é necessário escolher entre produzir e preservar, as duas frentes devem caminhar juntas. E as empresas precisam lembrar que não existe empresa saudável em um planeta doente”, destaca Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil.

“Temos a enorme oportunidade de colocar o Brasil em um papel de protagonista na agenda global de sustentabilidade e da economia de baixo carbono. Mas isso depende do apoio a uma economia voltada para a conservação de biomas, avanços em direção à circularidade, além de incluir pessoas e comunidades que são essenciais na valoração da socio biodiversidade”, afirma Denise Hills, diretora de sustentabilidade de Natura &Co Latam. “Já somos carbono neutro desde 2007. Nosso compromisso agora é zerar as emissões líquidas até 2030, 20 anos antes do previsto pelo Acordo de Paris. Para isso, é fundamental o desenvolvimento de compromissos, mercados regulados, bem como novos modelos de negócio e de inovação para o impacto positivo tanto ambiental quanto social”, conclui.

“O estudo da ICC-WayCarbon é extremamente oportuno, tanto pelo debate que o mundo trava atualmente em torno da necessidade de reduzir emissões de gases de efeito estufa, quanto porque aponta objetivamente as oportunidades para o Brasil no mercado de carbono. Não é novidade o potencial estratégico do nosso país na atração de investimentos para uma economia de baixo carbono, mas precisamos traduzir isso em soluções. Por isso, estudos como este trazem informações técnicas fundamentais que sustentam a urgente necessidade de ação para políticas de valorização dos nossos recursos, aqui por meio do mercado de carbono”, presidente da Shell Brasil, André Araujo.

“Precisamos de uma força-tarefa imediata entre os setores público, privado e a sociedade para adotar medidas efetivas que contribuam com a redução das emissões globais de carbono. As mudanças climáticas têm sido um dos maiores desafios globais da nossa sociedade e, para enfrentá-las, vemos um enorme potencial na implantação de um mercado de carbono regulado, especialmente em um país com as características do Brasil”, enfatiza Júlio Natalense, gerente executivo de Iniciativas de Carbono da Suzano.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário