Home SeçõesEconomia Verde Áreas naturais protegidas oferecem serviços essenciais à humanidade

Áreas naturais protegidas oferecem serviços essenciais à humanidade

por redação

Especialistas ressaltam a importância das florestas para a manutenção da vida no planeta. No Brasil, situação das florestas é preocupante em todos os biomas

Neste sábado, dia 17 de julho, comemora-se no Brasil o Dia de Proteção às Florestas, data criada para alertar sobre o risco de desaparecimento das florestas nos diferentes biomas do País, que têm no desmatamento a sua maior ameaça. De acordo com dados do Relatório Anual do Desmatamento no Brasil, elaborado pelo projeto MapBiomas, 13,8 mil quilômetros quadrados foram desmatados no país em 2020, 99% de forma ilegal, um crescimento de 14% em comparação a 2019. O relatório mostra que o desmatamento cresceu em todos os biomas, sendo a Amazônia (60%) e o Cerrado (31%) as regiões com maior porcentual de áreas desmatadas. Caatinga (4,4%), Mata Atlântica (1,1%), Pantanal (1,1%) e Pampa (0,1%) também sofreram com o desmatamento no último ano.

Para Cecília Herzog, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), professora e pesquisadora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), a importância das florestas pode ser considerada por diferentes ângulos, desde o nível macro, por sua relação direta com as mudanças climáticas, até no aspecto regional ou local, observado na saúde e qualidade de vida da população nos centros urbanos.

“As florestas nos fornecem serviços ecossistêmicos de valor inestimável. Desde a regulação do clima e das chuvas necessárias para garantir as atividades econômicas diversas, como a agricultura, passando pelo fornecimento de água e energia para a população, até a sensação de bem-estar que a natureza proporciona, mesmo por meio de ilhas verdes nas selvas de pedras”, ressalta a pesquisadora.

Alerta para a sociedade brasileira

A professora observa que o Dia de Proteção às Florestas deve ser encarado como um alerta para a sociedade brasileira. “Vivemos um momento de enorme gravidade, com ameaças à natureza em todos os nossos biomas e a possibilidade de perda irreversível não apenas para o Brasil, mas para toda a humanidade. Precisamos entender que o desmatamento nos diz respeito mesmo que estejamos a milhares de quilômetros da Amazônia, pois já sentimos o desequilíbrio do clima por causa da destruição das florestas e, infelizmente, isso tende a piorar se não revertermos esse ciclo de degradação”, salienta Cecília.

A especialista faz questão de destacar também os serviços ecossistêmicos fornecidos pela natureza em áreas urbanas, chamando a atenção para a necessidade de conservar espaços verdes e reflorestar áreas dentro das cidades e do seu entorno. “Florestas em regiões urbanizadas, parques e corredores verdes preservam a vida de muitas espécies, inclusive a humana, reduzem ilhas de calor, garantem captação de água, contribuem para uma redução do impacto de enchentes, melhoram a qualidade do ar, reduzem ruídos e ainda proporcionam serviços ecossistêmicos culturais, favorecendo atividades ligadas ao lazer, ao bem-estar e à qualidade de vida, como ciclismo, caminhadas, entre outras”, explica.

Condição para uma vida saudável

A gerente sênior de Conservação da Natureza da Fundação Grupo Boticário, Leide Takahashi, também membro da RECN, acrescenta que a proteção às florestas é uma condição para uma vida saudável no planeta, pois, em ambientes naturais conservados, a vegetação, mamíferos, répteis, aves e insetos se autorregulam. “O desmatamento e as alterações drásticas no uso do solo, somados à expansão desordenada das áreas urbanas, rompem o equilíbrio natural e fazem com que parte dos animais migrem para as cidades. No caso dos mosquitos e outros insetos, que são vetores de muitas doenças, a crise climática e o aumento da temperatura também trouxeram condições favoráveis à reprodução desses indivíduos. Nas cidades, eles passam a se alimentar também do sangue das pessoas, favorecendo a transmissão de enfermidades”, explica, lembrando ainda que a atual pandemia do coronavírus é um exemplo de como esse desequilíbrio traz graves consequências à vida humana.

A Fundação, que atua há mais de 30 anos em diversas frentes em prol da conservação da natureza, é responsável por manter duas Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN): a Reserva Natural Salto Morato, localizada em Guaraqueçaba (PR), na Grande Reserva Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador (na foto), em Cavalcante (GO), no coração do Cerrado. Ao todo, a instituição conserva aproximadamente 110 quilômetros quadrados de áreas naturais, que representam espaço equivalente a 70 Parques do Ibirapuera, e contribuem para a preservação integral de ecossistemas, proporcionando a diversas espécies a oportunidade de continuar vivendo em seu habitat natural.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário