Home SeçõesEficiência Energética Acordo possibilita que primeira empresa de vidro use biometano no País

Acordo possibilita que primeira empresa de vidro use biometano no País

por redação

Wheaton e ZEG firmam parceria para utilização de biometano como fonte energética no processo de produção, que poupará a emissão de aproximadamente 7.000 toneladas de CO² em um ano

O Brasil ainda possui muita dependência de combustíveis fósseis. De acordo com o Balanço Energético Nacional de 2020, elaborado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério de Minas e Energia (MME), as fontes renováveis correspondem por apenas 45% da matriz energética nacional. Dentre a fontes não renováveis, destacam-se o petróleo, que corresponde por 34% da matriz, e o gás natural (12%). Este, consumido majoritariamente pela indústria (43%) e na geração elétrica (38%).

Tendo a sustentabilidade e a inovação em processos como alguns de seus compromissos, a Wheaton, considerada uma das maiores fabricantes de embalagens de vidro para o segmento de perfumaria e cosméticos no mundo, utilizará o biometano como fonte energética, em substituição a parte do gás natural utilizado, investindo em fontes renováveis de energia. Com isso, a companhia será a primeira indústria de vidro a utilizar esse combustível renovável no mundo.

Renato Massara Júnior, diretor Comercial e de Marketing da Wheaton, explica que a adoção dessa nova fonte energética está em harmonia com o trabalho realizado pela empresa.

“A sustentabilidade, inovação e tecnologia estão entre os pilares da empresa e também dos nossos principais clientes. E esse foi um projeto que nos deixou apaixonados. Por isso, decidimos tornar a Wheaton uma pioneira nesse sentido, ao incorporar o biometano à nossa produção”, diz.

A comercialização do biometano para a Wheaton será viabilizada pela ZEG, empresa especializada na produção de energia renovável. Daniel Rossi, CEO da ZEG, explica que “a substituição do combustível fóssil na produção de vidro da Wheaton poupará a emissão de aproximadamente 7.000 toneladas de CO² em um ano, o que equivale a mais de 50 mil árvores plantadas num período de 20 anos”.

O executivo da ZEG destaca ainda que o “GasBio”, nome do produto renovável que será fornecido, é produzido por meio do reaproveitamento sustentável de resíduos urbanos em um aterro sanitário localizado em Sapopemba, distrito da Zona Leste de São Paulo, Capital.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário