Home SeçõesEconomia Verde ABiogás apresenta panorama do biogás no Brasil na COP 26

ABiogás apresenta panorama do biogás no Brasil na COP 26

por redação

Participação da Abiogás na COP 26 destacou o potencial do biogás brasileiro na descarbonização da agropecuária, e ressaltou o posicionamento da associação a favor do mercado de carbono regulado

O presidente da Associação Brasileira do Biogás (ABiogás), Alessandro Gardemann,  apresentou um panorama do biogás no Brasil, nesta quarta-feira, dia 3/11, na COP 26, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, que acontece em Glasgow, na Escócia.  O encontro reúne mais de 190 países para discutir ações para frear o aquecimento global, e segue até o dia 12 de novembro.

Em sua apresentação, Alessandro destacou o potencial do biogás na descarbonização da agropecuária, e ressaltou o posicionamento da associação a favor do mercado de carbono regulado. Produzido a partir da decomposição de resíduos orgânicos, o biogás tem um papel-chave na meta brasileira de redução de emissão de gases do efeito estufa, anunciada na abertura da COP 26, nesta segunda-feira, dia 1/11, que passou de 43% para 50% até 2030.

Pré-sal caipira

Segundo estudo da ABiogás, o Brasil tem um potencial de produção de 120 milhões de m³/dia de biogás, o que significa poder dobrar a produção de gás natural do país, o chamado de pré-sal caipira. Este volume poderia suprir 40% da demanda por energia elétrica e 70% do consumo de diesel. O setor sucroenergético representa quase 50% do potencial, seguido da cadeia de proteína animal, com 32%

“O biogás tem este potencial gigantesco, não explorado e que está sendo desperdiçado. Trata-se de um combustível avançado, carbono neutro, e que pode ajudar a descarbonizar as emissões de metano da agropecuária, em geral, e de tudo aquilo que é difícil de descarbonizar com uma simples eletrificação, como a indústria de aço, de cimento e química, por exemplo”, comentou Alessandro.

Sobre o mercado de crédito de carbono, o presidente da ABiogás defendeu a regulação, levando em consideração a avaliação do ciclo de vida, mesma metodologia empregada no RenovaBio. “Já temos o mercado voluntário, por isso somos favoráveis à regulação. Entendemos que este mercado regulado deve ser para todos os setores, o que trará mais eficiência e menor custo”, explicou.

Segundo Gadermann, a experiência do RenovaBio deve ser utilizada para que os créditos criados neste novo mercado sejam equivalentes, assim como a metodologia de avaliação empregada que considera os impactos ambientais em todo o ciclo de vida do projeto, ou seja, a quantificação das emissões durante todo o processo produtivo.

Introduzido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o RenovaBio é um programa que estabelece metas para estimular o mercado de biocombustíveis e reduzir a emissão de gases que contribuem para o efeito estufa.

O presidente da ABiogás, Alessandro Gardemann, participou nesta quarta-feira, às 11 horas, do encontro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas em Glasgow, a COP 26

Mais informações sobre a COP 26: https://news.un.org/pt/tags/cop26

Sobre a Abiogás: https://abiogas.org.br/

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário