Home Notícias ABIMAQ cria Grupo de Trabalho de Máquinas e Equipamentos para Resíduos Sólidos (GTRS)

ABIMAQ cria Grupo de Trabalho de Máquinas e Equipamentos para Resíduos Sólidos (GTRS)

por redação

gtrsA ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, acaba de divulgar a Criação do Grupo de Resíduos Sólidos (GTRS) da entidade.Segundo informações da Imprensa, dentro da Câmara Setorial de Máquinas e Equipamentos para Cimento e Mineração (CSCM), foi criado o Grupo de Trabalho de Máquinas e Equipamentos para Resíduos Sólidos (GTRS), no fim do ano passado. Diante dessa nova oportunidade para o setor, o Informaq conversou com o coordenador do grupo, Paulo Da Pieve, da associada Steinert Latinoamericana Tecnologia de Separação Ltda., que comentou sobre as ações e objetivos do grupo, que nasce com a projeção de obter mais de 160 associados.

O que motivou a criação do grupo?

A nova Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS, a busca da sustentabilidade pela sociedade e a crescente demanda mundial por matérias primas e por energia, ainda que em menor ritmo de crescimento, impulsiona a crescente utilização de materiais reciclados, despertando novas oportunidades de negócios e abrindo portas para a inovação e a aplicação de tecnologias na reciclagem dos resíduos sólidos e na geração de energia. O desenvolvimento deste novo mercado no Brasil e na América do Sul de maneira mais intensiva demandará equipamentos, máquinas e componentes que podem ser fabricados pelo parque industrial já instalado no Brasil.

Quais são os objetivos que permeiam o trabalho do grupo?

Fortalecer a indústria nacional; apresentar as oportunidades deste novo mercado para o setor brasileiro de máquinas, equipamentos e componentes; organizar e levar adiante as demandas deste setor para atender às necessidades deste novo mercado; introduzir inovações tecnológicas na indústria de resíduos sólidos existente no Brasil; desenvolver a cadeia de fornecedores para atender ao mercado de resíduos sólidos no Brasil e na América do Sul; incentivar a exportação de equipamentos fabricados no Brasil que possam ser utilizados na indústria de resíduos sólidos em outros países.

Quais são as expectativas?

Contribuir para a organização do setor e o desenvolvimento da indústria nacional, além de atingir ao menos 60% de conteúdo nacional nos projetos de reciclagem – tratamento dos resíduos sólidos no Brasil.

Compartilhar
0 comentário

Posts relacionados

Deixe um Comentário