Home Seções Eficiência Energética Tendências em eficiência energética e sustentabilidade para supermercados são abordados em simpósio

Tendências em eficiência energética e sustentabilidade para supermercados são abordados em simpósio

0
0
Abordagem mostrou que encarecimento da energia elétrica e a restrição para uso do R22 (HCFCs) são alguns dos itens que estão gerando mudanças no setor e até mesmo quebrando paradigmas
Abordagem mostrou que encarecimento da energia elétrica e a restrição para uso do R22 (HCFCs) são alguns dos itens que estão gerando mudanças no setor e até mesmo quebrando paradigmas

O setor de varejo alimentar apresenta cada vez mais formatos distintos, por isso não há uma solução única para obter eficiência energética. Esse é um consenso entre os especialistas que participaram do 1º Simpósio Danfoss sobre tendências em eficiência energética e sustentabilidade para supermercados, que aconteceu no dia 16 de agosto de 2016, no auditório da Associação Paulista de Supermercados (APAS).

No primeiro bloco, os representantes da GreenYellow, empresa do grupo Casino que vem implementando ações de eficiência energética em iluminação, frio alimentar e ar condicionado em mais de 200 lojas do Extra e Pão de Açúcar; da Eletrofrio e da Plotter Racks falaram sobre eficiência energética no varejo alimentar, mediados por Eduardo Drigo, gerente de suporte técnico da Danfoss.

Pierre-Yves Mourgue, diretor presidente da GreenYellow, destaca que a manutenção preventiva e o monitoramento são fundamentais para que a automação seja eficiente. A GreenYellow vem implementando ações de eficiência energética junto às lojas do GPA desde 2014, sendo 137 hipermercados e 60 supermercados já implementados com redução média de 25% do consumo. O serviço agora é oferecido para outros clientes, com a GreenYellow assumindo o investimento e o monitoramento num modelo de compartilhamento com Success Fee dos ganhos alcançados.

Rogério Marson, gerente de engenharia da Eletrofrio, mostrou que o encarecimento da energia elétrica e a restrição para uso do R22 (HCFCs) estão gerando mudanças no setor e até mesmo quebrando paradigmas. “Até há pouco tempo sugerir num projeto a aplicação de portas nos balcões frigoríficos era praticamente assunto proibido. Hoje, é notoriamente uma solução para reduzir o consumo de energia. Se considerarmos que a aplicação de portas nos balcões verticais promove uma redução da carga térmica nestes equipamentos de 75%, o item passa a ser obrigatório”, explica. Além disso, ao aplicar portas nos balcões frigoríficos reduz-se o tamanho dos componentes e a quantidade de fluidos refrigerantes necessária. “Quer economizar energia elétrica? Feche os balcões, use as tecnologias disponíveis no mercado, opere e mantenha os sistemas de refrigeração tal como projetados, além de fazer a manutenção preventiva.”

Marcelo Merolli, diretor da Plotter Racks, enfatiza que não há fórmula mágica que resulte em eficiência energética.  “Caminhamos para diversas soluções adequadas à realidade de cada formato. Não adianta desenhar um projeto se os componentes não são de alta performance.” O especialista explica que é fundamental olhar a loja como um todo e se adiantar aos problemas, criando soluções antes das regulamentações. “Há 20 anos tínhamos apenas os modelos de hiper e supermercados e apenas uma solução. Hoje, com as restrições do meio ambiente, o aumento de custos e os novos formatos de lojas, a redes devem se antecipar às regulamentações.”

O segundo bloco do Simpósio Danfoss contou com mediação de Maurício Cavicchiolli, diretor de sustentabilidade da APAS, e a presença de representantes da Ecosuporte, do Ministério do Meio Ambiente e do Grupo Pão de Açúcar debatendo sobre sustentabilidade no varejo alimentar. Thiago Pietrobon, diretor da Ecosuporte, alerta que ser eficiente é ser sustentável, não se deve confundir sustentabilidade com simples economia. Ele explica que o primeiro desafio para quem visa uma loja sustentável é estar aberto a mudanças. “A cada dia novas tecnologias surgem, novas normas são criadas e até nossos clientes mudam. Precisamos estar abertos a aceitar e apoiar algumas mudanças.” Ele ressalta ainda que não há uma única solução de prateleira que se aplique a todos os formatos de lojas. “Cada realidade exige uma gama de soluções personalizadas para alcançarmos a melhor eficiência. Nunca dispensem um bom projeto. Deve-se investir mais no pré para acertar mais no resultado.”

Frank Amorim e Gabriela Lira, do Ministério do Meio Ambiente (MMA), abordaram as ações que o MMA tem adotado para conscientizar sobre os HCFCs no setor de refrigeração. O governo brasileiro instituiu o Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH), que foi divido em etapas de implementação, para a eliminação completa do consumo de HCFCs até 2040. A Etapa 1 do PBH, aprovada em julho de 2011, contemplou recursos para a eliminação do consumo de HCFCs em 16,6% sobre a linha de base (média do consumo de 2009 e 2010) até 2015. A Etapa 2, aprovada em novembro de 2015, prevê a eliminação de mais 34,96% do consumo de HCFCs até 2021.

Encerrando o Simpósio, Thatiana Zukas, coordenadora de sustentabilidade do GPA, abordou as ações do Grupo em sustentabilidade. Ela comentou que nenhuma loja nova abre com R22. “Estamos com quatro lojas piloto com sistema de refrigeração dotado parcialmente de CO2 e duas lojas com sistemas de refrigeração congelada CO2.”

Os vídeos do 1º Simpósio Danfoss sobre tendências em eficiência energética e sustentabilidade para supermercados podem ser visualizados no site do evento: www.danfoss.com.br/simposio-food-retail. A iniciativa contou com o apoio da APAS.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *