Home Seções Educação Ambiental Ação educativa do InpEV prioriza gestão de resíduos

Ação educativa do InpEV prioriza gestão de resíduos

0
0
Crianças aprendem a importância da responsabilidade compartilhada na destinação de resíduos sólidos
Crianças aprendem a importância da responsabilidade compartilhada na destinação de resíduos sólidos

As inscrições para a sétima edição do Programa de Educação Ambiental Campo Limpo acabam de ser encerradas, e mais de 2.000 escolas do entorno das unidades de recebimento de embalagens vazias de defensivos agrícolas do país aderiram à ação. São aproximadamente seis mil salas de aula participantes e 210 mil alunos beneficiados pela iniciativa.

Resultado de parceria com Secretarias Municipais de Educação e outros agentes educacionais, o programa é uma das ações educativas do inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), e leva para instituições de ensino kits pedagógicos multidisciplinares, destinados a alunos de 4º e 5º anos do Ensino Fundamental.

Os conteúdos didáticos relativos ao meio ambiente são alinhados às recomendações dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) do MEC. Por meio de diversos materiais, como cartilhas, livro do professor e jogos educativos, o conceito de conservação ambiental é transmitido aos estudantes de forma lúdica. Em 2016, o material foi incrementado com a inclusão de aplicativo para ser jogado em computadores. A novidade segue o tema da edição 2016 do programa ambiental – “Resíduos sólidos: responsabilidade compartilhada. ” O programa inclui ainda um concurso anual de desenho e redação, com etapas local e nacional.

A adesão das escolas tem crescido gradualmente: em 2015, 1.872 escolas participaram do programa, envolvendo quase 190 mil estudantes. Em 2016, há 2.060 escolas e 210.428 alunos participantes.

Segundo João Cesar M. Rando, diretor-presidente do inpEV, o investimento em ações educativas é uma prioridade do instituto. “É fundamental conscientizar a população jovem sobre a importância da destinação ambientalmente correta dos resíduos para que elas se tornem futuras disseminadoras de boas práticas”, conclui.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *